Yeshua no Talmude!

Existe um tratado judaico chamado de TB Yoma 39 b, que foi ensinado pelos rabinos a uns 40 anos antes da destruição do templo, que no Yom Kippur, o Dia da Expiação, eles iriam pendurar um barbante vermelho — Provavelmente associando de alguma maneira como diz Isaías 1:18 – e o sumo sacerdote antes de entrar no Santos dos Santos, penduravam este barbante. Eles acreditavam que o cordão escarlate ficaria branco se os pecados do povo fossem perdoados, se não fossem perdoados, o cordão permaneceria vermelho. Daniel capítulo nove, como veremos, disse que o Mashiach teve que surgir em Israel e morrer antes que o segundo Templo fosse destruído; Jesus expressou isso no Discurso das Oliveira (Mat. 24, Luc. 21).

Os rabinos ensinaram que, “Durante os últimos quarenta anos anterior da destruição do Templo – o que aconteceu cerca 70 dC, o fio escarlate não se tornou branco, nem brilhou o raio do sol mais ocidental, e as portas do Santo dos Santos se abriam por sua própria iniciativa. Por quarenta anos antes da destruição do Templo, o fio escarlate nunca se tornou branco, mas permaneceu vermelho”. O segundo Templo foi destruído no ano 70 dC; quarenta anos antes de 70 AD teria sido cerca 30 d.C. Em outras palavras, desde o tempo de Jesus até a destruição do Templo, de acordo com o judaísmo, o pecado do povo nunca foi perdoado. Eles estão tentaram se justificar por meio de obras de justiça, mas Isaías 64:6 diz:

Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia; e todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniqüidades como um vento nos arrebatam.

No literal do termo hebraicos trapos “imundos” nesta passagem são realmente uma comparação ao pano sujo da menstruação.

Como naquela época o Templo, teria aberto por si mesmo, até rabino Johanan ben Zakkai repreendeu-los, dizendo:


‘Hekal, Hekal, porque haverias tu de te tornares causa de espanto? Sei que serás destruído, pois Zacarias ben Ido profetizou a teu respeito: Abre tuas portas, ó Líbano, para que o fogo devore seus cedros” (TB Yoma 39b).


O que este rabino disse é que a abertura das portas por iniciativa própria, estava prevendo a sua própria destruição.


“Nossos rabinos ensinaram: nos quarenta anos que antecederam a destruição do Templo a sorte (“Por que o Senhor”) não esteve em mãos certas; tampouco a correia de carmim tornou-se branca, como também não brilhou o raio de sol mais ocidental; e as portas do Hekal [santuário] se abriram por si mesmo até que Johanan ben Zakkai as repreendeu, dizendo: Hekal, Hekal, porque haverias tu de te tornares causa de espanto? Sei que serás destruído, pois Zacarias ben Ido profetizou a teu respeito: Abre tuas portas, ó Líbano, para que o fogo devore seus cedros” (TB Yoma 39b).

“Rabino Zadok jejuou durante quarenta anos para que Jerusalém não fosse destruída, [emagreceu tanto que] quando comia o que quer que fosse, podia-se ver a comida [quando passava por sua garganta]. Quando sentia necessidade de recompor, traziam-lhe um figo; ele sugava o suco e jogava o resto fora” (TB Gittin 56a).

“Certa vez em que o rabban Johanan ben Zakkai vinha de Jerusalém, o rabino Josué seguiu-o e observou o Templo em ruínas. “Ai de nós! ” , exclamou Josué, “eis o lugar em que as iniqüidades de Israel eram expiadas; agora, jaz em ruínas!” ...(Avot do rabino Natã 4).(1)


A fim de facilitar a compreensão do que aconteceu na religião judaica, vou contar a história de dois Rabinos: Logo após um certo tempo, houve um Rabino muito famoso chamado de Hillel. Havia dois tipos principais de fariseus: um foi da Escola de Hillel – e o outro da Escola de Shamai; academias de onde rabinos foram educados. Eles tinham algumas diferenças na sua ênfase, mas foram as duas principais escolas de pensamento farisaico. A Escola de Hillel tinha um certo número de licenciados muito famosos – Hillel foi o avô de outro muito famoso rabino, que foi o seu sucessor, rabino Gamaliel. O Rabino Gamaliel é mencionado no Talmude, que diz quando ele morreu a retidão pereceu sobre a terra. O BritChadasha em Atos 5 nos diz que Gamaliel , disse que, se Jesus não era o Mashiach, os cristãos iriam desaparecer, e se não desaparecessem, os judeus que tentar coloca-los sob a oposição, estariam trabalhando contra D’us. O Rabino Gamaliel da Escola de Hillel foi associado a algo chamado de Midot de Hillel, que Paulo utilizou no seu métodos de ensino.

Gamaliel como vários estudantes rabínicos famosos, um dos quais foi Onkelos, que fez a famosa tradução do Targum em aramaico Onkelos. Ele também tinha outros dois alunos também famosos, um ou outro dos quais cada judeu veio depois e decidiria a quem seguir, provocando um cisma na religião judaica. O primeiro destes estudantes foi rabino Johanan ben Zakkai, a quem eu citei anteriormente.

Quando o Templo foi destruído, rabino Johanan ben Zakkai disse (na paráfrase), “Temos um grande problema aqui: não podemos mais praticar de nenhuma maneira mais a fé judaica que Moshe nos deu“. Desde este dia em diante, em cada sinagoga judaica ortodoxa vai encontrar o termo Ichabod; “a glória tem se afastado, o Shekinah tinha desaparecido“. Eles sabiam bem que, sem um Templo, não podia mais praticar a fé dos seus pais. Sobre a Páscoa Judaica, o Pesach, em vez de tomar seder como o cordeiro, tem que tomá-lo com um frango, porque não têm sacerdócio e não tem mais Templo.

Rabino Johanan ben Zakkai convocou um conselho na Yavne, perto de Tel Aviv moderna, em que os rabinos decidiram o seguinte: em vez dos levitas e sacerdotes, os rabinos seriam as novas autoridades espirituais, os novos dirigentes de Israel.

Também, em vez de ser o Templo central, as sinagogas tornar-se-ião como se fosse uma sinagoga central (sinagogas teriam começado a se desenvolver após o cativeiro Babilônico). Assim, uma outra religião começou a evoluir a partir desse ponto, com base na tradição rabínica.

Houve uma colega do rabino Johanan ben Zakkai, cujo nome era Rabino Shaul de Tarso – mais conhecido por alguns como o apóstolo Paulo. Ele foi também um discípulo de Gamaliel, mas ele disse que a lei foi cumprida na vinda do Mashiach e Jesus pagou o preço por nossos pecados, e, assim, a maldição da lei e as conseqüências para quebrar a lei foram estabelecidas sobre ele.

Todo judeu está sob uma lei – é um pacto feito com D’us. Mais é muito difícil ele manter essa promessa – mas ele ainda está sob a maldição da lei. Se você quer saber o que aconteceu aos judeus, leia Levítico 26 e Deuteronômio 28 – toda a sua história está aí anunciada. Os judeus estão sob uma maldição da lei de Moshe, porque rejeitaram a Jesus.

A previsão de Daniel é que o Mashiach viria e morreria antes da destruição do Templo. E até o momento que o Templo foi destruído, todo judeu, em seguida, tem duas opções somente: ou eles aceitam a Jesus como o Mashiach, ou praticam um judaísmo 100% que hoje não é nada Escritural. Todo o futuro da fé judaica hoje está baseada sob a norma de dois rabinos, Johanan ben Zakkai e Rabino Shaul de Tarso.

No final de sua vida, o Talmude nos diz, rabino Johanan ben Zakkai estava aos prantos. Seus discípulos vieram até ele e disse, “O grandioso mestre, porque você está chorando? Porque é que a sua alma esta em perigo?” E Rabbi Johanan ben Zakkai disse: “Estou prestes a encontrar com HaShem – D’us – abençoado seja Ele, e diante de mim vejo dois caminhos: um líder para o Paraíso e os outro líder para o (inferno) e não sei qual o caminho que Ele me sentenciará”. O fundador do judaísmo Rabínico admitiu que ele não tinha absolutamente nenhuma garantia de salvação. Ele disse que não sabia se iria para D’us ou para o inferno por aquilo que ele fez, no final de sua vida ele estava apavorado, pois iria morrer. É o mesmo caminho que todos os judeus querem segui-lo.

No entanto, temos o Rabino Shaul de Tarso, que disse no final de sua vida:

Desde agora ninguém me inquiete; porque trago no meu corpo as marcas do Senhor Jesus.”Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda.

Ele tinha a certeza da sua salvação e, por isso, faz com que todo judeu que lhe segue tenha esta certeza.

Durante a era negra, cerca de 900 a 1500 dC – outras coisas começaram a se desenvolver e mudar radicalmente. Poucos judeus poderiam compreender o texto hebraico ou aramaico, de modo que os comentários e códigos foram escritos sobre o Talmude. Esses códigos foram condensados em uma sistemática de direito e deveres e a partir de livros que temos hoje, como o chamado Mishnah, a Torah, o texto Massorético…e etc. Rambam foi o principal rabino neste momento; anterior ele Foi Rashi na França. Eles continuaram mais distantes da Palavra de D’us, e começaram a desenvolver no mesmo sentido do que o catolicismo romano.

No entanto, assim como Tomaz de Aquino fez do catolicismo romano, Rambam fez assim igualmente com o judaísmo – ele escreveu um livro chamado Um Guia para os Perplexos, seguido por algo chamado Mishnah Torah, na qual ele Aristotelizou o judaísmo com idéias Helenistas que foram totalmente alheios a qualquer coisa originalmente criada no princípio pelo qual os judeus acreditavam.

Alguns de outros escritores Talmudicos foram os seguintes: Rabbi Shlomo Itzachi, Rabbi Saida Gaon ( “o gênio”), Rambnn, rabino Moshe de Nachman – (também conhecida como Nachmanides), Rabbi David Kimchi, Ibn Ezra, Rabbi Levi Ben Gershom, etc .

Neste ponto, a Kabalah começou a entrar em cena. Kabala é o misticismo dentro do judaísmo, o principal trabalho foi o Zohar. Este misticismo começou na Polônia.

Muito tempo depois, houve um famoso rabino chamado Leopoldo Cohen, que estava muito incomodado com Daniel 9, que diz que o Mashiach teve que vir muito tempo antes e morrer antes da destruição do segundo Templo. Ele queria saber o que isso significava, de modo que ele leu no Talmude e viu que o mundo como forma de governo humano seria estabelecido até se completar os 6000 anos, e viu que esta ligação, de acordo com o Rabino Katina, Com o Salmo 90:4. que os judeus teriam 2000 anos sob a Lei de Moshe e a partir da morte do Mashiach o mundo teria mais 2000 anos sob a lei do Mashiach, e perto do fim um estado de caos aparecerá, o Mashiach então, quando o Shabbat tiver começado – será no começo de um novo Milenio de 1000 anos de paz. Em seguida, virá a guerra de Gog e Magog, e o Mashiach irá renovar o mundo após 7000 anos, de acordo com ‘Sanhedrin’ 96 ter e 99a, e Yalkut volume II p. 129d. — Isto é exatamente o que o livro de Apocalipse nos ensina.

O Mashiach vai chegar para destruir as nações e para governar na terra por mil anos de paz, antes as pessoas que estão a realizar-se da seguinte forma: aqueles que pecarem serão destruídos, mais a verdade deve fracassar, antes os filhos serão rebeldes contra os seus pais, anarquia será geral, o saduceismo prevalecerá como se fosse universal (os Saduceus negavam a ressurreição) – em outras palavras, quando as pessoas que pretendem ser fiéis a D’us negam a ressurreição a um nível popular.

Rabino Cohen tinha um grande problema quando leu isto no Talmude. Ele percebeu que o Mashiach tinha que ter vindo por volta de 32 ou 33 dC O Talmude disse duas coisas a esse respeito: por um lado foi como o acima foi referido, e o outro motivo era que existe uma maldição sobre quem lê Daniel 9. Ele se perguntou por que razão os seus instrutores descobriram que o motivo para a maldição foi que o tempo da vinda do Mashiach estava anunciado em Daniel 9. Ele não podia acreditar que D’us iria colocar algo em Sua Palavra e não querer que as pessoas compreendessem o que isto significava de fato, portanto, Rabbi Leopoldo Cohen tornou-se um servo de D’us no Mashiach depois de ficar convencido disto.

Então digo que uma coisa que inevitavelmente acontecerá quando você falar com um judeu e de novo irá lhe dizer que Zacarias 12:10-12 não tem nada a haver com o Mashiach. Em resposta você dirá para ele, que o Sukkah 52.o A diz que tem tudo a haver.

Eles também tentarão relatar que Isaías 52 e 53 não fala nada sobre o Mashiach e sim que é a respeito de Israel que sofre. Mais os Talmudistas sabia que Isaías predizia o Mashiach e a aparição d’Ele em Isaías 52:14: “Como pasmaram muitos à vista dele, pois o seu parecer estava tão desfigurado, mais do que o de outro qualquer, e a sua figura mais do que a dos outros filhos dos homens.” ‘Sanhedrin’ 97b, Yalkut volume II P. 53.o C e também Shemoth R, 15-19. O Talmude cita repetidamente Isaías 53 como uma previsão do Mashiach e o modo de como se daria o seu aparecimento na terra de Israel.

Existem dois principais Targums no judaísmo: o Targum Onkleos que me referi anteriormente, e Targum Jonatas. Depois do exílio na Babilônia, a maioria dos judeus sabiam o aramaico, em vez de hebraico, de modo a que traduziram as Escrituras em aramaico. No entanto, estas não foram simplesmente traduções, mas também interpretações. Ele diz: “Quem deu crédito à nossa pregação? E a quem se manifestou o braço do SENHOR? Porque foi subindo como renovo perante ele, e como raiz de uma terra seca; não tinha beleza nem formosura e, olhando nós para ele, não havia boa aparência nele, para que o desejássemos. Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum. Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de D’us, e oprimido. Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.”- esta passagem aponta diretamente para o Mashiach.


‘Sanhedrin’ 98b, também o Midrash sobre Samuel, o Lemburg (SP?) Edição, p. 45a, e o Targum do Reino do Mashiach. Ele sabia muito bem que este falava sobre o Mashiach; o Targum Jonatan diz tão especificamente.

O povo judeu vai acusar e dizer com freqüência que os cristãos torcem as Escrituras para pregar algo sobre Jesus quando na verdade não é nada sobre Ele, o que a maioria dos rabinos vai dizer para você, que estas passagens falam exclusivamente sobre Israel e os sofrimentos de Israel. Há uma série de problemas aqui: uma delas é que mesmo que Isaías repetidamente quisesse castigar Israel que é injusto por causa de seus pecados, Isaías descreve no capítulo 53 o Sofrimento de um Servo sem pecado. Portanto esta idéia de Israel no texto é simplesmente incompatível com o contexto.

Os judeus também acusam os cristãos da invenção de um novo pacto que não existe, alegando que a única promessa é a Torá. Jeremias 31:31 diz que D’us fará um novo pacto, mas quando você for lhe dizer isto, estes irão tentar lhe convencer que entendeu mal o texto por não saber o hebraico. Neste ponto, você pode apontar para o Midrash sobre Salmo 7, p. 5a edição da Varsóvia: “D’us vai falar através do Mashiach para fazer um novo pacto”.

Salmo 2 diz: “Tu és meu Filho; e por isto faça homenagem ao meu Filho, para que Ele não ascenda a sua ira e você pereça no seu caminho.” Os rabinos dizem que D’us não tem Filho; mas eles têm um grande problema. Aqui é onde posso lhe contar como conduzir um rabino ortodoxo em reforma antecipada: Salmo 2 é colocada, juntamente com Salmo 110 e II Samuel 16:1 e, em seguida, conectada com o Sofrimento Servo de Isaías 53. Essas coisas podem ser lidas no Midrash sobre II Samuel 16:1, n. ° 19 do Edição Lemburg, p. 45; também o Midrash sobre Salmo 7, p. 5a da Edição de Varsóvia; e Yalkut (SP?) Volume II p. 90a. (Esses dados podem ser obtidos numa Yeshiva ou e uma biblioteca judaica.).

Esta passa a dizer então, quando conectamos o Salmo 110 com II Samuel 16:1 e Isaías 53, “Contra D’us e ao Seu Mashiach:” Se eu encontrar o Filho do Rei, vou crucifica-lo com uma morte cruel. “Os Talmude realmente diz que o Mashiach seria crucificado” Litzlov oto ” é exatamente o que diz, ‘crucificarei’. Isso é uma coisa que não posso responder.

Mais uma vez, em Gênesis 49:10 Jacó previu O cetro não se arredará de Judá, nem o legislador dentre seus pés, até que venha Siló; e a ele se congregarão os povos.; O Talmude da Babilônia afirma que isto já ocorreu, o Sages disse: Ai de nós, pois o Cetro Foi tirado de Judá, o Mashiach ainda não apareceu! ” Rabbi Ruchman acrescenta que os membros do Sinédrio com a cabeça coberta com cinzas, com os seus órgãos envolvidos de pano de saco, chorou quando ouviu estas palavras. O Tamude de Jerusalém que é datado um pouco mais de quarenta anos antes da destruição do Templo em 70 dC, relata que o Mashiach será perfurado, fato este ocorrido nos anos 30 a 32 d.C. — O Talmude de Jerusalém, ‘Sanhedrin’ Volume 24, e Talmude da Babilônia, ‘Sanhedrin’ capítulo 4 Fascículo 37.

O Midrash sobre Jeremias 31:8, o mesmo que Isaías 53. “Todos os limites de tempo no que se refere a chegada do Mashiach são passados”. — ‘Sanhedrin’ 96-99. O Talmude afirma claramente que o Mashiach já tinha chegado.

Midrash Bresheit, sobre Genesis Rabbah, p. 24b da Edição de Varsóvia. Seu próprio sistema diz que o Mashiach teve que vir em 33 dC.

O Talmude afirma que a destruição do Templo em 70 dC foi predita por Daniel 9:24-27. Quando você chegar em argumentando com um rabino sobre as semanas de Daniel, o que estas significam – Diga: “Eu não posso parar para explicar isto agora, mais aqui tenho um livro no formato zipado (htm – 245 KB), com detalhes que posso lhe dar, clique aqui ou diretamente na internet clique aqui – Entretanto a coisa mais fácil de ti dizer é que em Daniel 9 diz claramente que o Mashiach teve que vir e morrer antes do dia que o segundo Templo fosse Destruído. “Não, não é isto”, ele vai lhe dizer, mas ai você diz que Yalkut Volume II p. 79d diz sobre isto, e assim como fez Nazir 32b. O Talmude afirma-se que a destruição do Templo em 70 dC foi predita por Daniel 9:24-27, quando a vinda do Mashiach que seria morto e previa depois disto a destruição do segundo Templo em Jerusalém. Portanto, o Mashiach foi previsto para chegar e ser morto antes de 70 dC, de acordo com o Talmude – e os rabinos sabiam disso.

O Talmude confirma que a pedra cortada sem mãos, em Daniel 2:44, 45 é novamente o Mashiach. “Então ele vos será por santuário; mas servirá de pedra de tropeço, e rocha de escândalo, às duas casas de Israel; por armadilha e laço aos moradores de Jerusalém.”. Em Isaías 8:14 D’us também previu que a maioria dos líderes dirigentes de Israel iriam rejeitar o Mashiach assim como também apedrejaram e rejeitaram os profetas que lhes foram enviados (Mt.23:37) ” Louvar-te-ei, pois me escutas-te, e te fizeste a minha salvação.22 A pedra [Yeshua] que os edificadores rejeitaram tornou-se a cabeça da esquina.” — Salmos 118:21, 22, que é o Hillel Rabbah que eles cantaram para Jesus em Domingo de Ramos.

Rambam Moshe Maimonides, o maior rabino, confirmou a aparição de Yeshua o Mashiach em 30 dC foi em Israel o seu maior obstáculo. Em Reis e Guerra capítulo 11, a edição não censurada, (os rabinos têm, por razões óbvias colocar uma edição censurada) que diz: “Nunca houve uma maior obstáculo com este problema de Yeshua (Jesus) nos anos 30 dC Durante os seus três e meio, o Shekinah – D’us do fogo, a Sua presença – debruçou sobre o Monte das Oliveiras, esperando para ver se Israel iria se arrepender, e exortava-os a “Siga o Senhor enquanto Ele pode ser encontrado e o chame enquanto Ele está Perto”, mas tudo foi em vão. Após três anos e meio, o Shekinah retornou ao Monte das Oliveiras.” Lamentação rabínica.

Quando você enfrenta um rabino ortodoxo com estas coisas, ele não vai querer lidar com isso. No entanto, se você pressiona-lo, ele vai dizer-lhe que Jesus sabia Kabala – esta foi criada muitos séculos mais tarde, mas eles dizem que mesmo assim que Jesus sabia Kabala, os segredos místicos e que ele sabia o nome de HaShem (o Tetragrama) sob a Sua língua e Sob Seus pés e assim por diante, e esta é a forma como ele executava tais milagres. Isso é o que ele vai lhe dizer se você o pressionar.

Novamente, Isaías 52 e 53 no Targum Jonatan: “Eis, meu servo o Mashiach deve prosperar; Ele será exaltado, e grande e muito poderoso” – afirma diretamente e repetidamente que este é falado sobre o Mashiach.

Daniel 9, Megilah 3 aleph do Targum dos profetas, foi composta por Jonata ben Uzziel sob a orientação de Ageu, Zecaria e Malaquias, de acordo com a tradição: “E uma voz do céu veio brotar e disse,” Quem é este que me revelou segredos? ” E ele ainda tentou revelar por Targum o interior significado da Hegiografa (a porção da Escritura que inclui Daniel), mas um morcego passou diante do Céu e disse: “Basta!” “Porque, porque razão não deveríamos ler Daniel 9?” “Porque a data do Mashiach é anunciado no mesmo.” E, novamente, um Sukkah 52 quanto o Mashiach sendo perfurado: “Qual é a causa do pranto em Zacaria 12:11,12? É assim, de acordo com ele, que explica que a causa é o assassinato do Mashiach, o Filho de José, uma vez que o bem está de acordo com as Escrituras: “e Ele irá deixar cair lágrimas como quem chora por um só filho”.

Poderíamos continuar quase indefinidamente como isto; não há um única profecia messiânica que gostaria de utilizar em assistir ao povo judeu que eu não podia provar a não ser uma invenção cristã aplicando-a a Jesus. O Talmude concorda, por exemplo, que está em Miquéias 5:2 o Mashiach, que, de alguma forma, tinha que ser pré-existente: ” E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre os milhares de Judá, de ti me sairá o que governará em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade. “. Desde o Targum de Miquéias 5:1 partir Targum Jonatan diz o seguinte: “E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre os milhares de Judá, de ti me sairá o que governará em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade.” Desta forma, quando um se encontra com o protesto que os cristãos tenha lido algo em Miquéias 5:2, se pode responder que os cristãos não tenham lido nada nele a mais que os judeus não tinham lido muito antes da época do cristianismo ter sido estabelecido.

Em Gênesis 3:1-15: “E será que, quando os filhos da mulher estudar a Torah diligentemente a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.” – desde o início, eles os rabinos antigos acreditavam por seus escritos, que o Mashiach teria que morrer ferido. Comentários sobre Gênesis 23:5 do Midrash Rabbah mostram que Rabbi Tanhumah disse: “Em nome do rabino Shmuel Kozit, ele aponta que a semente que surge a partir de outra fonte – o Mashiach”. O Midrash diz que Eva achava que Sete, seria o Mashiach, e que ele seria ferido no calcanhar e, em seguida, faria profundas hematomas na cabeça da serpente.

(1) A Sombra do Templo, p.120 – Ed. Vida Oskar Skarsaune

http://en.wikipedia.org/wiki/Yohanan_ben_Zakkai

Advertisements
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s